Muito obrigado pelo seu interesse na nossa associação. A protecção de dados tem uma prioridade particularmente elevada para os responsáveis da FORUT - Organização de Ajuda ao Desenvolvimento da IOGT Alemanha (a seguir denominada FORUT). As páginas internet da FORUT podem ser utilizadas sem qualquer indicação de dados pessoais. No entanto, se uma pessoa interessada desejar fazer uso de serviços especiais prestados pela nossa associação através do nosso website, os dados pessoais poderão ter de ser processados. Se o tratamento de dados pessoais for necessário e não existir base legal para esse tratamento, obtemos geralmente o consentimento da pessoa em causa.

O tratamento de dados pessoais, por exemplo o nome, endereço, endereço electrónico ou número de telefone de uma pessoa em causa, é sempre efectuado em conformidade com o regulamento de base relativo à protecção de dados e em conformidade com os regulamentos de protecção de dados específicos do país aplicáveis ao FORUT. Através desta declaração de protecção de dados, a nossa associação pretende informar o público sobre o tipo, âmbito e finalidade dos dados pessoais por nós recolhidos, utilizados e tratados. Além disso, esta declaração de protecção de dados informa as pessoas em causa sobre os seus direitos.

Enquanto responsável pelo tratamento dos dados, FORUT implementou numerosas medidas técnicas e organizacionais para assegurar a protecção mais completa possível dos dados pessoais tratados através deste sítio Web. No entanto, as transmissões de dados através da Internet podem, em princípio, ter lacunas de segurança, pelo que não pode ser garantida uma protecção absoluta. Por este motivo, cada pessoa interessada é livre de nos transmitir dados pessoais por meios alternativos, tais como o telefone.

1. Definições

A declaração de protecção de dados da FORUT baseia-se na terminologia utilizada pela directiva europeia e pelo regulamento de base relativo à protecção de dados (DS-GVO). A nossa declaração de protecção de dados deve ser de fácil leitura e compreensão tanto para o público como para os nossos utilizadores e parceiros. Para o garantir, gostaríamos de explicar antecipadamente os termos utilizados.

Utilizamos os seguintes termos nesta política de privacidade:

  • a) Dados pessoais

    Os dados pessoais são qualquer informação relativa a uma pessoa singular identificada ou identificável (a seguir designada por «pessoa em causa»). Uma pessoa singular é considerada identificável se puder ser identificada directa ou indirectamente, nomeadamente por referência a um identificador, como um nome, um número de identificação, dados de localização, um identificador em linha ou uma ou mais características específicas que exprimam a identidade física, fisiológica, genética, psicológica, económica, cultural ou social dessa pessoa singular.

  • b) Pessoa a que se referem os dados

    Entende-se por pessoa em causa qualquer pessoa singular identificada ou identificável cujos dados pessoais são tratados pelo responsável pelo tratamento.

  • c) Tratemento

    «Tratamento»: qualquer operação ou conjunto de operações efectuadas com ou sem o auxílio de processos automatizados e relacionadas com dados pessoais, tais como a recolha, registo, organização, triagem, armazenamento, adaptação ou alteração, recuperação, consulta, utilização, divulgação por transmissão, difusão ou qualquer outra forma de disponibilização, alinhamento ou associação, qualificação, apagamento ou destruição.

  • d) Limitação do tratamento

    A limitação do tratamento é a marcação dos dados pessoais armazenados, com o objectivo de limitar o seu futuro tratamento.

  • e) Perfis

    A definição de perfis é qualquer tratamento automatizado de dados pessoais que consista na utilização desses dados pessoais para avaliar certos aspectos pessoais relativos a uma pessoa singular, em especial para analisar ou prever aspectos relacionados com o desempenho profissional, a situação económica, a saúde, as preferências pessoais, os interesses, a fiabilidade, a conduta, o paradeiro ou os movimentos dessa pessoa singular.

  • f) Pseudonimização

    A pseudonimização significa o tratamento de dados pessoais de forma a que os dados pessoais deixem de poder ser atribuídos a uma pessoa específica sem o fornecimento de informações adicionais, desde que essas informações adicionais sejam mantidas separadamente e sujeitas a medidas técnicas e organizacionais que assegurem que os dados pessoais não sejam atribuídos a uma pessoa singular identificada ou identificável.

  • g) Controlador ou controlador de dados

    O responsável pelo tratamento ou pelo tratamento dos dados é a pessoa singular ou colectiva, autoridade pública, agência ou outro organismo que, sozinho ou em conjunto com outros, determina as finalidades e os meios de tratamento dos dados pessoais. Sempre que as finalidades e os meios desse tratamento sejam determinados pelo direito da União ou pela legislação dos Estados-Membros, o responsável ou responsáveis pelo tratamento podem ser designados em conformidade com o direito da União ou com a legislação dos Estados-Membros, com base em critérios específicos.

  • h) Processadores sob contrato

    O responsável pelo tratamento é uma pessoa singular ou colectiva, autoridade pública, agência ou outro organismo que trate dados pessoais em nome do responsável pelo tratamento.

  • i) Destinatário

    O destinatário é uma pessoa singular ou colectiva, autoridade pública, agência ou outro organismo a quem são comunicados dados pessoais, quer essa pessoa seja ou não um terceiro. No entanto, as autoridades que possam receber dados pessoais no âmbito de uma tarefa de investigação específica ao abrigo do direito da União ou da legislação dos Estados-Membros não são consideradas como destinatários.

  • j) Terceiros

    Entende-se por terceiro qualquer pessoa singular ou colectiva, autoridade pública, agência ou organismo que não a pessoa em causa, o responsável pelo tratamento, o subcontratante e as pessoas autorizadas a tratar os dados pessoais sob a responsabilidade directa do responsável pelo tratamento ou do subcontratante.

  • k) Consentimento

    Por consentimento entende-se qualquer manifestação voluntária, informada e inequívoca da vontade da pessoa em causa no caso concreto, sob a forma de uma declaração ou outro acto de confirmação inequívoco, indicando que consente no tratamento dos seus dados pessoais.

2. Nome e endereço do responsável pelo tratamento

A pessoa responsável na acepção do regulamento relativo à protecção de dados de base, de outras disposições legislativas em matéria de protecção de dados aplicáveis nos Estados-Membros da União Europeia e de outras disposições de natureza de protecção de dados:

FORUT – Entwicklungshilfeorganisation deutscher Guttempler e. V.
Adenauerallee 45
20097 Hamburg
Alemanha
Telefone: 030 55 87 31 91
E-Mail:
Sítio Web: www.forut.de

3. Cookies

As páginas da Internet da FORUT utilizam cookies. Os cookies são ficheiros de texto que são armazenados num sistema informático através de um browser de Internet.

Numerosos sites e servidores da Internet utilizam cookies. Muitos cookies contêm o chamado «cookie ID». Um ID de cookie é um identificador único do cookie. Consiste numa cadeia de caracteres através dos quais as páginas e servidores da Internet podem ser atribuídos ao browser específico da Internet em que o cookie foi armazenado. Isto permite às páginas e aos servidores da Internet visitados distinguir o browser individual da pessoa em causa de outros browsers da Internet que contêm outros cookies. Um determinado programa de navegação Internet pode ser reconhecido e identificado pela sua identificação única de «cookies».

Ao utilizar cookies, FORUT pode fornecer aos utilizadores deste website serviços mais fáceis de utilizar que não seriam possíveis sem a definição de cookies.

Através de um cookie, as informações e ofertas do nosso site podem ser optimizadas no interesse do utilizador. Os cookies permitem-nos, como já foi referido, reconhecer os utilizadores do nosso website. O objectivo deste reconhecimento é facilitar aos utilizadores a utilização do nosso website. Por exemplo, o utilizador de um website que utiliza cookies não tem de voltar a introduzir os seus dados de acesso cada vez que visita o website, porque estes são assumidos pelo website e pelo cookie armazenado no sistema informático do utilizador. Outro exemplo é o cookie de um cesto de compras na loja online. A loja online lembra-se dos artigos que um cliente colocou no cesto de compras virtual através de um cookie.

A pessoa em causa pode impedir a definição de cookies pelo nosso sítio Web a qualquer momento, através de uma configuração adequada do navegador de Internet utilizado e, assim, opor-se permanentemente à definição de cookies. Além disso, os cookies que já foram definidos podem ser eliminados a qualquer momento através de um programa de navegação na Internet ou de outros programas de software. Isto é possível em todos os programas de navegação comuns na Internet. Se a pessoa em causa desactivar a definição de cookies no programa de navegação da Internet utilizado, nem todas as funções do nosso sítio web podem ser totalmente utilizáveis em determinadas circunstâncias.

4. Recolha de dados e informações de carácter geral

O site FORUT recolhe uma série de dados e informações gerais cada vez que o site é acedido por uma pessoa em causa ou por um sistema automatizado. Estes dados e informações gerais são armazenados nos ficheiros de registo do servidor. Podem ser registados os seguintes dados

  1. tipos e versões de navegadores utilizados,
  2. o sistema operativo utilizado pelo sistema de acesso,
  3. o website a partir do qual um sistema de acesso acede ao nosso website (o chamado referrer),
  4. os subwebsites, que são acedidos através de um sistema de acesso no nosso website,
  5. a data e hora de acesso ao site,
  6. um endereço de protocolo Internet (endereço IP),
  7. o fornecedor de serviços Internet do sistema de acesso, e
  8. outros dados e informações semelhantes utilizados para evitar perigos em caso de ataques aos nossos sistemas de tecnologia da informação.

Ao utilizar estes dados e informações gerais, FORUT não tira quaisquer conclusões sobre a pessoa em causa. Pelo contrário, esta informação é necessária para

  1. entregar correctamente o conteúdo do nosso site,
  2. optimizar o conteúdo do nosso website e a publicidade para o mesmo,
  3. assegurar a operacionalidade a longo prazo dos nossos sistemas de tecnologia da informação e da tecnologia do nosso website, e
  4. fornecer às autoridades responsáveis pela aplicação da lei as informações de que necessitam para processar um ataque informático.

FORUT avalia, portanto, estes dados e informações recolhidos anonimamente, tanto estatisticamente como com o objectivo de aumentar a protecção e a segurança dos dados na nossa associação, a fim de garantir, em última análise, um nível óptimo de protecção dos dados pessoais que processamos. Os dados anónimos dos ficheiros de registo do servidor são armazenados separadamente de todos os dados pessoais fornecidos pela pessoa em causa.

5. Contacto através do site

Devido às normas legais, o site FORUT contém informações que permitem um contacto electrónico rápido com a nossa associação, bem como uma comunicação directa connosco, que inclui também um endereço geral para o chamado correio electrónico (endereço de correio electrónico). Se a pessoa em causa contactar o responsável pelo tratamento de dados por e-mail ou através de um formulário de contacto, os dados pessoais transmitidos pela pessoa em causa são automaticamente armazenados. Esses dados pessoais transmitidos voluntariamente por uma pessoa em causa ao responsável pelo tratamento são armazenados para efeitos de tratamento ou contacto da pessoa em causa. Esses dados pessoais não devem ser comunicados a terceiros.

6. Eliminação e bloqueio de rotina de dados pessoais

O responsável pelo tratamento só tratará e conservará os dados pessoais da pessoa em causa durante o período necessário para atingir a finalidade do armazenamento ou quando previsto na directiva e no regulamento europeus ou noutro acto legislativo ou regulamentar a que o responsável pelo tratamento esteja sujeito.

Se a finalidade de armazenamento deixar de se aplicar ou se expirar um período de armazenamento previsto pela directiva e regulamentação europeias ou por outro legislador competente, os dados pessoais devem ser bloqueados ou apagados de forma sistemática e de acordo com as disposições legais.

7. Direitos do titular dos dados

  • a) Direito de confirmação

    Todas as pessoas em causa têm o direito, concedido pela directiva e pelo legislador europeus, de obter do responsável pelo tratamento a confirmação de que os dados pessoais que lhes dizem respeito estão a ser tratados. Se a pessoa em causa pretender exercer esse direito de confirmação, pode, a qualquer momento, contactar um empregado do responsável pelo tratamento.

  • b) Direito de acesso

    Qualquer pessoa afectada pelo tratamento de dados pessoais tem o direito, concedido pela directiva e pelo legislador europeus, de obter a qualquer momento, gratuitamente, do responsável pelo tratamento, informações sobre os dados pessoais que lhe dizem respeito que tenham sido armazenados e uma cópia dessas informações. Além disso, a Autoridade Europeia para a Protecção de Dados concedeu à pessoa em causa o acesso às seguintes informações:

    1. às finalidades do tratamento dos dados
    2. as categorias de dados pessoais tratados
    3. os destinatários ou categorias de destinatários a quem os dados pessoais foram ou serão comunicados, em especial destinatários em países terceiros ou organizações internacionais
    4. se possível, a duração prevista para a qual os dados pessoais serão armazenados ou, se tal não for possível, os critérios para determinar essa duração
    5. a existência de um direito à rectificação ou apagamento dos dados pessoais que lhe digam respeito ou à limitação do tratamento efectuado pelo responsável pelo tratamento ou de um direito de oposição a esse tratamento
    6. a existência de um direito de recurso para uma autoridade de supervisão
    7. se os dados pessoais não forem recolhidos junto da pessoa em causa: Toda a informação disponível sobre a origem dos dados
    8. a existência de um processo decisório automatizado, incluindo a definição de perfis, em conformidade com os n.os 1 e 4 do artigo 22.o do regulamento de base sobre a protecção de dados e, pelo menos nestes casos, informações significativas sobre a lógica envolvida, o âmbito e o impacto previsto desse tratamento na pessoa em causa

    A pessoa em causa tem igualmente o direito de saber se os dados pessoais foram transferidos para um país terceiro ou para uma organização internacional. Se for esse o caso, a pessoa em causa tem igualmente o direito de obter informações sobre as garantias adequadas relacionadas com a transferência.

    Se a pessoa em causa desejar exercer esse direito de acesso, pode, a qualquer momento, contactar um funcionário do responsável pelo tratamento dos dados.

  • c) Direito de rectificação

    Qualquer pessoa afectada pelo tratamento de dados pessoais tem o direito, concedido pela directiva e pelo legislador europeus, de solicitar a rectificação sem demora dos dados pessoais inexactos que lhe digam respeito. Além disso, a pessoa em causa tem o direito, tendo em conta as finalidades do tratamento, de solicitar a rectificação de dados pessoais incompletos, nomeadamente através de uma declaração suplementar.

    Se a pessoa em causa pretender exercer este direito de rectificação, pode, a qualquer momento, contactar um empregado do responsável pelo tratamento.

  • d) Direito de cancelamento (direito a ser esquecido)

    Qualquer pessoa sujeita ao tratamento de dados pessoais tem o direito, concedido pela directiva e pelo regulamento europeus, de exigir ao responsável pelo tratamento que apague sem demora os dados pessoais que lhe digam respeito e que estejam sujeitos a uma das seguintes condições e na medida em que o tratamento não seja necessário:

    1. Os dados pessoais foram recolhidos para tais fins ou tratados de qualquer outra forma para a qual já não sejam necessários.
    2. A pessoa em causa deve retirar o seu consentimento em que se baseou o tratamento nos termos do n.o 1, alínea a), do artigo 6.o do regulamento de base ou do n.o 2, alínea a), do artigo 9.o do regulamento de base, não existindo qualquer outra base jurídica para o tratamento dos dados.
    3. A pessoa em causa deve opor-se ao tratamento em conformidade com o n.o 1 do artigo 21.o do regulamento de base e não deve haver razões imperiosas e legítimas para o tratamento ou a pessoa em causa deve opor-se ao tratamento em conformidade com o n.o 2 do artigo 21.o do regulamento de base.
    4. Os dados pessoais foram tratados de forma ilícita.
    5. O apagamento de dados pessoais é necessário para cumprir uma obrigação jurídica decorrente do direito da União ou da legislação dos Estados-Membros a que o responsável pelo tratamento de dados está sujeito.
    6. Os dados pessoais foram recolhidos em relação aos serviços da sociedade da informação prestados nos termos do n.o 1 do artigo 8.o do regulamento de base relativo à protecção de dados.

    Se uma das razões acima referidas se aplicar e a pessoa em causa desejar que os dados pessoais armazenados em FORUT sejam apagados, pode contactar a qualquer momento um funcionário do responsável pelo tratamento dos dados. O funcionário da FORUT deve assegurar que o pedido de apagamento seja imediatamente satisfeito.

    Se os dados pessoais tiverem sido tornados públicos pela FORUT e se a nossa associação como pessoa responsável for obrigada a apagar os dados pessoais nos termos do n.o 1 do artigo 17.o DS-GVO, FORUT tomará as medidas adequadas, incluindo medidas técnicas, tendo em conta a tecnologia disponível e os custos de aplicação, para informar as outras pessoas responsáveis pelo tratamento de dados que tratam os dados pessoais publicados que a pessoa em causa solicitou a supressão de todas as ligações a esses dados pessoais ou cópias ou reproduções desses dados pessoais dessas outras pessoas responsáveis pelo tratamento, na medida em que o tratamento não seja necessário. O funcionário da FORUT tomará as medidas necessárias em casos individuais.

  • e) Direito de limitação do tratamento

    Qualquer pessoa sujeita ao tratamento de dados pessoais tem o direito, concedido pela directiva e pelo regulamento europeus, de solicitar ao responsável pelo tratamento que limite o tratamento, se estiver preenchida uma das seguintes condições:

    1. A exactidão dos dados pessoais é contestada pela pessoa em causa durante um período de tempo que permita ao responsável pelo tratamento verificar a exactidão dos dados pessoais.
    2. O tratamento for ilícito, a pessoa em causa recusar a supressão dos dados pessoais e solicitar, em vez disso, a restrição da utilização dos dados pessoais.
    3. O responsável pelo tratamento já não precisa dos dados pessoais para efeitos de tratamento, mas a pessoa em causa precisa deles para fazer valer, exercer ou defender-se de acções judiciais.
    4. A pessoa em causa opôs-se ao tratamento ao abrigo do n.o 1 do artigo 21.o da DSGVO e ainda não é claro se os motivos legítimos do responsável pelo tratamento são superiores aos da pessoa em causa.

    Se uma das condições acima referidas estiver preenchida e a pessoa em causa pretender solicitar a restrição dos dados pessoais armazenados no FORUT, pode contactar a qualquer momento um funcionário do responsável pelo tratamento dos dados. O funcionário da FORUT deve tomar providências para que o tratamento seja restringido.

  • f) Direito à transferibilidade de dados

    Qualquer pessoa envolvida no tratamento de dados pessoais tem o direito, concedido pela directiva e pelo regulamento europeus, de obter dados pessoais que lhe digam respeito e que tenham sido fornecidos pelo titular dos dados a um responsável pelo tratamento num formato estruturado, comum e legível por máquina. Tem igualmente o direito de comunicar esses dados a outro responsável pelo tratamento sem que tal seja impedido pelo responsável pelo tratamento a quem os dados pessoais tenham sido comunicados, desde que o tratamento se baseie no consentimento referido na alínea a) do n.o 1 do artigo 6.o do DSGVO ou na alínea a) do n.o 2 do artigo 9.o do DSGVO ou num contrato referido na alínea b) do n.o 1 do artigo 6.o do DSGVO e que o tratamento seja efectuado por meios automatizados, desde que não seja necessário para a execução de uma missão de interesse público ou para o exercício da autoridade pública de que o responsável pelo tratamento é investido.

    Além disso, no exercício do seu direito à transferibilidade de dados nos termos do n.o 1 do artigo 20.o da DSGVO, a pessoa em causa tem o direito de obter que os dados pessoais sejam transferidos directamente de um responsável pelo tratamento para outro, na medida em que tal seja tecnicamente viável e desde que tal não infrinja os direitos e liberdades de outras pessoas.

    A fim de fazer valer o direito à transferência de dados, a pessoa em causa pode contactar a qualquer momento um empregado da FORUT.

  • g) Direito de recurso

    Qualquer pessoa sujeita ao tratamento de dados pessoais tem o direito, concedido pelo legislador europeu, de se opor em qualquer momento, por motivos relacionados com a sua situação específica, ao tratamento de dados pessoais que lhe digam respeito, efectuado nos termos das alíneas e) ou f) do n.o 1 do artigo 6.o do DSGVO. O mesmo se aplica ao estabelecimento de perfis com base nestas disposições.

    FORUT deixará de tratar os dados pessoais em caso de objecção, a menos que possamos provar razões imperiosas para o tratamento digno de protecção que prevaleçam sobre os interesses, direitos e liberdades da pessoa em causa, ou que o tratamento sirva para a afirmação, o exercício ou a defesa de pretensões legais.

    Além disso, a pessoa em causa tem o direito de se opor ao tratamento de dados pessoais que lhe digam respeito pela FORUT para fins de investigação científica ou histórica ou para fins estatísticos nos termos do n.o 1 do artigo 89.o da DSGVO, por motivos decorrentes da sua situação particular, a menos que esse tratamento seja necessário para o desempenho de uma tarefa de interesse público.

    A fim de exercer o direito de oposição, o interessado pode contactar directamente qualquer empregado do FORUT ou outro empregado. A pessoa em causa é igualmente livre de exercer o seu direito de oposição em relação à utilização dos serviços da sociedade da informação, não obstante a Directiva 2002/58/CE, através de procedimentos automatizados que utilizem especificações técnicas.

  • h) Decisões automatizadas caso a caso, incluindo a definição de perfis

    Qualquer pessoa sujeita ao tratamento de dados pessoais tem o direito, concedido pela directiva e regulamentação europeias, de não estar sujeita a uma decisão baseada unicamente num tratamento automatizado, incluindo a definição de perfis, que lhe produza efeitos jurídicos ou lhe afecte significativamente de forma semelhante, desde que a decisão

    1. não seja necessário para a celebração ou execução de um contrato entre a pessoa em causa e a pessoa responsável, ou
    2. seja autorizado pela legislação da União ou dos Estados-Membros a que o responsável está sujeito e que essa legislação contenha medidas adequadas para salvaguardar os direitos e liberdades e os interesses legítimos da pessoa em causa, ou
    3. com o consentimento expresso da pessoa em causa.

    A decisão é a seguinte

    1. necessários à celebração ou execução de um contrato entre a pessoa em causa e a pessoa responsável, ou
    2. deve ser realizada com o consentimento expresso da pessoa em causa,

    FORUT tomará as medidas adequadas para proteger os direitos e liberdades, bem como os interesses legítimos da pessoa em causa, incluindo, pelo menos, o direito de obter a intervenção de uma pessoa da parte do responsável, de expor a sua própria posição e de contestar a decisão.

    Se a pessoa em causa desejar exercer direitos relacionados com decisões automatizadas, pode fazê-lo em qualquer momento contactando um empregado do responsável pelo tratamento.

  • i) Direito de revogar o consentimento ao abrigo da legislação em matéria de protecção de dados

    Qualquer pessoa afectada pelo tratamento de dados pessoais tem o direito, concedido pela directiva e pelo legislador europeus, de revogar o consentimento para o tratamento de dados pessoais em qualquer momento.

    Se a pessoa em causa desejar exercer o seu direito de retirar o consentimento, pode fazê-lo em qualquer momento contactando um funcionário do responsável pelo tratamento.

8. Política de Privacidade na Utilização e Uso do Facebook

O controlador de dados integrou componentes do Facebook neste site. O Facebook é uma rede social.

Uma rede social é um ponto de encontro social baseado na Internet, uma comunidade em linha que normalmente permite aos utilizadores comunicar uns com os outros e interagir no espaço virtual. Uma rede social pode servir como plataforma para a troca de opiniões e experiências ou permitir que a comunidade da Internet forneça informações pessoais ou relacionadas com associações. O Facebook permite que os utilizadores da rede social criem perfis privados, carreguem fotografias e trabalhem em rede através de pedidos de amizade.

A empresa operadora do Facebook é a Facebook, Inc. 1 Hacker Way, Menlo Park, CA 94025, EUA. Se a pessoa em questão vive fora dos EUA ou do Canadá, a pessoa responsável pelo processamento dos dados pessoais é Facebook Ireland Ltd., 4 Grand Canal Square, Grand Canal Harbour, Dublin 2, Irlanda.

Cada vez que uma das páginas individuais deste site é acedida, que é operada pelo controlador de dados e na qual foi integrada uma componente Facebook (Facebook plug-in), o navegador da Internet no sistema informático da pessoa em causa é automaticamente solicitado pela respectiva componente Facebook para descarregar uma representação da componente Facebook correspondente a partir do Facebook. Uma visão completa de todos os plug-ins do Facebook pode ser encontrada em https://developers.facebook.com/docs/plugins/?locale=en_GB. Como parte deste processo técnico, o Facebook obtém informações sobre qual a subpágina específica do nosso site é visitada pela pessoa em questão.

Se a pessoa em questão estiver ligada ao Facebook ao mesmo tempo, o Facebook reconhece a página específica do nosso site que a pessoa em questão visita sempre que visita o nosso site e durante toda a duração da sua permanência no nosso site. Esta informação é recolhida pela componente do Facebook e atribuída pelo Facebook à respectiva conta da pessoa em causa no Facebook. Se a pessoa em causa clicar num dos botões do Facebook integrados no nosso site, por exemplo, o botão "Like", ou se a pessoa em causa fizer um comentário, o Facebook atribui esta informação à conta pessoal de utilizador do Facebook da pessoa em causa e armazena estes dados pessoais.

O Facebook recebe informações através da componente Facebook de que a pessoa em causa visitou o nosso site sempre que a pessoa em causa acede ao Facebook ao mesmo tempo que acede ao nosso site, independentemente de a pessoa em causa clicar ou não na componente Facebook. Se a pessoa em causa não quiser que esta informação seja transferida para o Facebook desta forma, pode impedir a transferência, fazendo o logout da sua conta no Facebook antes de aceder ao nosso site.

A política de dados publicada no Facebook, que está disponível em https://facebook.com/about/privacy/, fornece informações sobre a recolha, processamento e utilização de dados pessoais pelo Facebook. Explica também quais as definições que o Facebook oferece para proteger a privacidade da pessoa em causa. Além disso, estão disponíveis várias aplicações que tornam possível suprimir a transmissão de dados para o Facebook. Essas aplicações podem ser utilizadas pela pessoa em causa para suprimir a transmissão de dados para o Facebook.

9. Política de privacidade relativa à utilização e uso do Google Maps

Este site utiliza o Google Maps para apresentar mapas interactivos e criar direcções. Google Maps é um serviço de mapas da Google Inc., 1600 Amphitheatre Parkway, Mountain View, California 94043, EUA. Ao utilizar o Google Maps, a informação sobre a utilização deste website, incluindo o seu endereço IP e o endereço (inicial) introduzido como parte da função planeadora de rotas, pode ser transmitida ao Google nos EUA Quando visita um website no nosso website que contém o Google Maps, o seu browser estabelece uma ligação directa com os servidores do Google. O conteúdo do mapa é transmitido pelo Google directamente para o seu browser e integrado no site pelo mesmo. Não temos, portanto, qualquer influência sobre a extensão dos dados recolhidos desta forma pelo Google. De acordo com o nosso estado de conhecimento, estes são, pelo menos, os seguintes dados:

  • a data e a hora da visita ao sítio web em questão,
  • Endereço Internet ou URL do site acedido,
  • Endereço IP, o endereço (de partida) introduzido durante o planeamento da rota.

Não temos qualquer influência sobre o processamento e utilização posterior dos dados pelo Google, pelo que não podemos assumir qualquer responsabilidade por esse facto.
Se não quiser que o Google recolha, processe ou utilize dados sobre si através do nosso site, pode desactivar o JavaScript nas definições do seu navegador. Neste caso, no entanto, não pode utilizar a visualização do mapa.

A finalidade e o âmbito da recolha de dados e o posterior processamento e utilização dos dados pelo Google, bem como os seus direitos a este respeito e as opções de configuração para proteger a sua privacidade, podem ser encontrados na informação de protecção de dados do Google (https://www.google.com/intl/policies/privacy/).

Ao utilizar o nosso website, consente o processamento de dados sobre si pelo Google Maps Routing da forma e para os fins acima indicados.

10. Política de privacidade sobre a utilização e uso do Twitter

O controlador de dados integrou componentes do Twitter neste site. O Twitter é um serviço de microblogging multilingue e acessível ao público, no qual os utilizadores podem publicar e distribuir os chamados tweets, ou seja, mensagens curtas limitadas a 280 caracteres. Estas mensagens curtas podem ser acedidas por qualquer pessoa, incluindo as que não estão registadas no Twitter. No entanto, os tweets também são exibidos aos chamados seguidores do respectivo utilizador. Os seguidores são outros usuários do Twitter que seguem os tweets de um usuário. Além disso, o Twitter permite dirigir-se a um vasto público através de hashtags, links ou retweets.

A empresa operacional do Twitter é a Twitter, Inc. 1355 Market Street, Suite 900, San Francisco, CA 94103, EUA.

Cada vez que uma das páginas individuais deste site da Internet é acedida, que é operada pelo controlador de dados e na qual foi integrada uma componente Twitter (botão Twitter), o browser da Internet no sistema de tecnologia da informação do sujeito dos dados é automaticamente solicitado pela respectiva componente Twitter para descarregar uma representação da correspondente componente Twitter a partir do Twitter. Mais informações sobre os botões Twitter podem ser encontradas em https://about.twitter.com/resources/buttons . Como parte deste processo técnico, o Twitter obtém informações sobre qual a subpágina específica do nosso sítio Web é visitada pela pessoa em causa. O objectivo da integração da componente Twitter é permitir aos nossos utilizadores divulgar o conteúdo deste website, dar a conhecer este website no mundo digital e aumentar o número de visitantes.

Se a pessoa em questão estiver ligada ao Twitter ao mesmo tempo, o Twitter reconhece qual a página específica do nosso website que a pessoa em questão visita cada vez que acede ao nosso website e durante toda a sua permanência no nosso website. Esta informação é recolhida pela componente Twitter e atribuída pelo Twitter à respectiva conta da pessoa em causa no Twitter. Se a pessoa em causa clicar num dos botões do Twitter integrados no nosso sítio Web, os dados e informações transmitidos serão atribuídos à conta pessoal de utilizador do Twitter da pessoa em causa e armazenados e processados pelo Twitter.

O Twitter receberá sempre informações através da componente Twitter de que a pessoa em questão visitou o nosso sítio Web se a pessoa em questão estiver ligada ao Twitter ao mesmo tempo que acede ao nosso sítio Web, independentemente de a pessoa em questão clicar ou não na componente Twitter. Se a pessoa em causa não desejar transmitir esta informação para o Twitter desta forma, pode impedir a transmissão, fazendo o logout da sua conta Twitter antes de aceder ao nosso website.

A actual política de privacidade do Twitter pode ser encontrada em https://twitter.com/privacy?lang=en.

11. Política de Privacidade sobre a Utilização e Uso do YouTube

O controlador de dados integrou componentes do YouTube neste website. O YouTube é um portal de vídeos da Internet que permite aos editores de vídeos publicar clips de vídeo e a outros utilizadores visualizar, classificar e comentar gratuitamente os mesmos. O YouTube permite a publicação de todo o tipo de vídeos, razão pela qual é possível aceder a filmes e programas de televisão completos, mas também a vídeos musicais, trailers ou vídeos feitos pelos próprios utilizadores através do portal Internet.

A empresa operacional do YouTube é YouTube, LLC, 901 Cherry Ave, San Bruno, CA 94066, EUA. O YouTube, LLC é uma subsidiária da Google Inc., 1600 Amphitheatre Pkwy, Mountain View, CA 94043-1351, EUA.

Cada vez que um componente YouTube (vídeo YouTube) é integrado numa das páginas individuais deste sítio Internet, que é operado pelo controlador de dados, o navegador da Internet no sistema informático da pessoa em causa é automaticamente solicitado pelo respectivo componente YouTube para descarregar uma representação do correspondente componente YouTube a partir do YouTube. Mais informações sobre o YouTube podem ser encontradas em https://www.youtube.com/yt/about/. Como parte deste processo técnico, o YouTube e o Google obtêm informações sobre qual a subpágina específica do nosso sítio Web é visitada pela pessoa em questão.

Se a pessoa em questão estiver ligada ao YouTube ao mesmo tempo, o YouTube reconhece qual a subpágina específica do nosso website que a pessoa em questão está a visitar, chamando uma subpágina que contém um vídeo do YouTube. Esta informação é recolhida pelo YouTube e pelo Google e atribuída à respectiva conta YouTube da pessoa em causa.

O YouTube e o Google receberão informações através da componente YouTube de que a pessoa em questão visitou o nosso website sempre que a pessoa em questão estiver ligada ao YouTube ao mesmo tempo que acede ao nosso website, independentemente de essa pessoa clicar ou não num vídeo do YouTube. Se a pessoa em causa não quiser que o YouTube e o Google recebam essa informação, pode impedir a transmissão ao sair da sua conta no YouTube antes de visitar o nosso sítio Web.

Os regulamentos de protecção de dados publicados pelo YouTube, que estão disponíveis em https://www.google.de/intl/de/policies/privacy/, fornecem informações sobre a recolha, processamento e utilização de dados pessoais pelo YouTube e pelo Google.

12. Base jurídica do tratamento

O artigo 6.º da DSGVO serve de base jurídica à nossa associação para as operações de tratamento em que obtemos o consentimento para um fim específico de tratamento. Se o tratamento de dados pessoais for necessário para a execução de um contrato no qual a pessoa em causa é parte, como é o caso, por exemplo, de operações de tratamento necessárias para a entrega de mercadorias ou a prestação de outros serviços ou contraprestações, o tratamento baseia-se no artigo 6.o I letra b da DSGVO. O mesmo se aplica a essas operações de tratamento que são necessárias para a aplicação de medidas pré-contratuais, por exemplo, em caso de inquéritos relativos aos nossos produtos ou serviços. Se a nossa associação estiver sujeita a uma obrigação legal que exija o tratamento de dados pessoais, tal como para o cumprimento de obrigações fiscais, o tratamento baseia-se no artigo 6.o I, letra c, da DSGVO. Em casos raros, o tratamento de dados pessoais pode ser necessário para proteger os interesses vitais da pessoa em causa ou de outra pessoa singular. Seria esse o caso, por exemplo, se um visitante da nossa empresa fosse lesado e o seu nome, idade, informações sobre o seguro de saúde ou outras informações vitais tivessem de ser divulgadas a um médico, hospital ou outro terceiro. Nesse caso, o tratamento seria baseado no artigo 6.o I d DSGVO.

Em última análise, as operações de tratamento poderiam basear-se no artigo 6.o I, alínea f), da DSGVO. As operações de tratamento que não são abrangidas por nenhuma das bases jurídicas acima referidas baseiam-se nesta base jurídica se o tratamento for necessário para salvaguardar um interesse legítimo da nossa associação ou de terceiros, desde que os interesses, direitos fundamentais e liberdades fundamentais da pessoa em causa não prevaleçam. Tais operações de tratamento são-nos permitidas, nomeadamente por terem sido especificamente mencionadas pelo legislador europeu. A este respeito, considerou que se pode presumir um interesse legítimo se a pessoa em causa for um cliente do responsável pelo tratamento dos dados (considerando 47, segunda frase, DSGVO).

13. Interesses legítimos no tratamento de dados pelo responsável pelo tratamento ou por um terceiro

Se o tratamento de dados pessoais se basear no artigo 6.o I letra f DS-GVO, o nosso legítimo interesse é a condução dos nossos negócios em benefício de todos os nossos empregados e accionistas.

14. Duração do armazenamento dos dados pessoais

O critério para a duração do armazenamento dos dados pessoais é o respectivo período legal de conservação. Após este período ter expirado, os dados correspondentes serão regularmente apagados, a menos que deixem de ser necessários para o cumprimento ou início do contrato.

15. Disposições legais ou contratuais relacionadas com o fornecimento de dados pessoais; a necessidade de celebrar um contrato; a obrigação da pessoa em causa de fornecer os dados pessoais; as eventuais consequências da não comunicação dos dados pessoais.

Informaremos que o fornecimento de dados pessoais é parcialmente exigido por lei (por exemplo, regulamentos fiscais) ou pode resultar de disposições contratuais (por exemplo, informações sobre o parceiro contratual).

Por vezes, pode ser necessário celebrar um contrato para que uma pessoa em causa nos disponibilize dados pessoais que devem ser posteriormente tratados por nós. Por exemplo, a pessoa em causa é obrigada a fornecer-nos dados pessoais se a nossa associação celebrar um contrato com ela. O não fornecimento de dados pessoais significaria que o contrato não poderia ser celebrado com a pessoa em causa.

Antes da pessoa em causa fornecer dados pessoais, a pessoa em causa deve contactar um dos nossos colaboradores. O nosso colaborador informará o titular dos dados, caso a caso, se o fornecimento dos dados pessoais é exigido por lei ou contrato ou se é necessário para a celebração de um contrato, se existe a obrigação de fornecer os dados pessoais e as consequências de não fornecer os dados pessoais.

16. Existência de um processo de decisão automatizado

Como associação responsável, abstemo-nos de tomar decisões ou traçar perfis automaticamente.

Traduzido com www.DeepL.com