Dietmar Klahn e Fernando Nhaga em frente ao novo cartaz

Quando passei por Kinak, em Novembro de 2011, não havia sinais de que houvesse uma aldeia onde as pessoas vivessem. Da estrada principal só se podia ver uma área livre para o futebol, que passava durante a condução do carro.